quarta-feira, agosto 28, 2013

"I Have a Dream" - 50 anos do discurso de Martin Luther King


 
Faz hoje 50 anos que estas palavras foram proferidas perante 250.000 pessoas. Um momento alto da História que felizmente ficou registado e que, mesmo à distância de 50 anos, tem o poder de fazer renascer a esperança em nós, de nos fazer voltar a acreditar que nem tudo está perdido e que o Homem, afinal, é um animal capaz de dignidade muito para além do espectáculo lamentável da cobardia e baixeza do dia-a-dia.
Creio que com este discurso Luther King fez algo de extraordinariamente bom por cada um de nós. Ajudou-nos a (re)descobrir a nossa própria humanidade, a redescobrir o  verdadeiro significado da comunhão entre os homens e a deu-nos uma dimensão de transcendência com uma simplicidade e convicção inigualável.
Para mim, que não sou religioso, a energia contida neste discurso é o que de mais próximo concebo da Graça, da Redenção e do Amor incondicional ao próximo.
 
 
"I am happy to join with you today in what will go down in history as the greatest demonstration for freedom in the history of our nation.
Five score years ago, a great American, in whose symbolic shadow we stand today, signed the Emancipation Proclamation. This momentous decree came as a great beacon light of hope to millions of Negro slaves who had been seared in the flames of withering injustice. It came as a joyous daybreak to end the long night of their captivity.
But one hundred years later, the Negro still is not free. One hundred years later, the life of the Negro is still sadly crippled by the manacles of segregation and the chains of discrimination. One hundred years later, the Negro lives on a lonely island of poverty in the midst of a vast ocean of material prosperity. One hundred years later, the Negro is still languishing in the corners of American society and finds himself an exile in his own land. So we have come here today to dramatize a shameful condition.
In a sense we have come to our nation's capital to cash a check. When the architects of our republic wrote the magnificent words of the Constitution and the Declaration of Independence, they were signing a promissory note to which every American was to fall heir. This note was a promise that all men, yes, black men as well as white men, would be guaranteed the unalienable rights of life, liberty, and the pursuit of happiness.
It is obvious today that America has defaulted on this promissory note insofar as her citizens of color are concerned. Instead of honoring this sacred obligation, America has given the Negro people a bad check, a check which has come back marked "insufficient funds." But we refuse to believe that the bank of justice is bankrupt. We refuse to believe that there are insufficient funds in the great vaults of opportunity of this nation. So we have come to cash this check — a check that will give us upon demand the riches of freedom and the security of justice.
We have also come to this hallowed spot to remind America of the fierce urgency of now. This is no time to engage in the luxury of cooling off or to take the tranquilizing drug of gradualism. Now is the time to make real the promises of democracy. Now is the time to rise from the dark and desolate valley of segregation to the sunlit path of racial justice. Now is the time to lift our nation from the quick sands of racial injustice to the solid rock of brotherhood. Now is the time to make justice a reality for all of God's children.

It would be fatal for the nation to overlook the urgency of the moment. This sweltering summer of the Negro's legitimate discontent will not pass until there is an invigorating autumn of freedom and equality. Nineteen sixty-three is not an end, but a beginning. Those who hope that the Negro needed to blow off steam and will now be content will have a rude awakening if the nation returns to business as usual. There will be neither rest nor tranquility in America until the Negro is granted his citizenship rights. The whirlwinds of revolt will continue to shake the foundations of our nation until the bright day of justice emerges.
But there is something that I must say to my people who stand on the warm threshold which leads into the palace of justice. In the process of gaining our rightful place we must not be guilty of wrongful deeds. Let us not seek to satisfy our thirst for freedom by drinking from the cup of bitterness and hatred.
We must forever conduct our struggle on the high plane of dignity and discipline. We must not allow our creative protest to degenerate into physical violence. Again and again we must rise to the majestic heights of meeting physical force with soul force. The marvelous new militancy which has engulfed the Negro community must not lead us to a distrust of all white people, for many of our white brothers, as evidenced by their presence here today, have come to realize that their destiny is tied up with our destiny. They have come to realize that their freedom is inextricably bound to our freedom. We cannot walk alone.
As we walk, we must make the pledge that we shall always march ahead. We cannot turn back. There are those who are asking the devotees of civil rights, "When will you be satisfied?" We can never be satisfied as long as the Negro is the victim of the unspeakable horrors of police brutality. We can never be satisfied, as long as our bodies, heavy with the fatigue of travel, cannot gain lodging in the motels of the highways and the hotels of the cities. We cannot be satisfied as long as the Negro's basic mobility is from a smaller ghetto to a larger one. We can never be satisfied as long as our children are stripped of their selfhood and robbed of their dignity by signs stating "For Whites Only". We cannot be satisfied as long as a Negro in Mississippi cannot vote and a Negro in New York believes he has nothing for which to vote. No, no, we are not satisfied, and we will not be satisfied until justice rolls down like waters and righteousness like a mighty stream.
I am not unmindful that some of you have come here out of great trials and tribulations. Some of you have come fresh from narrow jail cells. Some of you have come from areas where your quest for freedom left you battered by the storms of persecution and staggered by the winds of police brutality. You have been the veterans of creative suffering. Continue to work with the faith that unearned suffering is redemptive.
Go back to Mississippi, go back to Alabama, go back to South Carolina, go back to Georgia, go back to Louisiana, go back to the slums and ghettos of our northern cities, knowing that somehow this situation can and will be changed. Let us not wallow in the valley of despair.
I say to you today, my friends, so even though we face the difficulties of today and tomorrow, I still have a dream. It is a dream deeply rooted in the American dream.
I have a dream that one day this nation will rise up and live out the true meaning of its creed: "We hold these truths to be self-evident: that all men are created equal."
I have a dream that one day on the red hills of Georgia the sons of former slaves and the sons of former slave owners will be able to sit down together at the table of brotherhood.
I have a dream that one day even the state of Mississippi, a state sweltering with the heat of injustice, sweltering with the heat of oppression, will be transformed into an oasis of freedom and justice.
I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character.
I have a dream today.
I have a dream that one day, down in Alabama, with its vicious racists, with its governor having his lips dripping with the words of interposition and nullification; one day right there in Alabama, little black boys and black girls will be able to join hands with little white boys and white girls as sisters and brothers.
I have a dream today.
I have a dream that one day every valley shall be exalted, every hill and mountain shall be made low, the rough places will be made plain, and the crooked places will be made straight, and the glory of the Lord shall be revealed, and all flesh shall see it together.
This is our hope. This is the faith that I go back to the South with. With this faith we will be able to hew out of the mountain of despair a stone of hope. With this faith we will be able to transform the jangling discords of our nation into a beautiful symphony of brotherhood. With this faith we will be able to work together, to pray together, to struggle together, to go to jail together, to stand up for freedom together, knowing that we will be free one day.
This will be the day when all of God's children will be able to sing with a new meaning, "My country, 'tis of thee, sweet land of liberty, of thee I sing. Land where my fathers died, land of the pilgrim's pride, from every mountainside, let freedom ring."
And if America is to be a great nation this must become true. So let freedom ring from the prodigious hilltops of New Hampshire. Let freedom ring from the mighty mountains of New York. Let freedom ring from the heightening Alleghenies of Pennsylvania!
Let freedom ring from the snowcapped Rockies of Colorado!
Let freedom ring from the curvaceous slopes of Califórnia!
But not only that; let freedom ring from Stone Mountain of Georgia!
Let freedom ring from Lookout Mountain of Tennessee!
Let freedom ring from every hill and molehill of Mississippi. From every mountainside, let freedom ring.
And when this happens, when we allow freedom to ring, when we let it ring from every village and every hamlet, from every state and every city, we will be able to speed up that day when all of God's children, black men and white men, Jews and Gentiles, Protestants and Catholics, will be able to join hands and sing in the words of the old Negro spiritual,
 
"Free at last! free at last!
thank God Almighty,
we are free at last!"

Entrevista com Pharoah Sanders





A propósito da recente passagem de Pharoah Sanders na última edição de "Jazz em Agosto 2013" aqui fica a transcrição da entrevista que fiz ao saxofonista a 16 de Agosto de 2004 quando foi convidado do "Creole Project" de David Murray no festival de Sines.

Esta entrevista foi anteriormente publicada no blog "Improviso ao Sul" e na edição em papel da revista Jazz.PT





José Menezes (JM): Começou com o clarinete e depois passou para o sax tenor...
Pharoah Sanders (PS): Não. Sempre toquei tenor. Comecei com a bateria. Mas queria tocar clarinete.Então comecei a trabalhar a serio para comprar um.Na igreja. A minha família ia à Igreja Baptista e havia um senhor que tinha um "mellow clarinet"... então... poupava todos os domingos durante um ano e comprei um clarinete por 17 dólares ou 17 e meio, qualquer coisa assim.

JM: Estamos a falar de que ano?
PS: Estamos a falar á volta de... 1956 mais ou menos... e o tenor... sempre toquei tenor na banda..na banda da escola... mas andava sempre à volta do tenor, da tuba, do barítono da trompa do trompete... e algumas vezes o barítono. Outras o tenor... porque eu não tinha um tenor mas tinha um clarinete mas ainda tocava bateria na banda.

JM: Alguma vez gravou com barítono? Acho que não...
PS: Não, nunca gravei.

JM: Quem eram os seus ídolos quando começou com o tenor?
PS: Bem... comecei com o clarinete, flauta na escola e tocava o sax alto. E tinha que os pedir emprestados à escola [imperceptível] instrumentos... Trazia então o sax barítono o tenor e o alto... [imperceptível] e chamavam-me sempre “O LOUCO” (risos) porque os levava a todos ao ombro... mas a escola ficava perto de casa... ficava só a 3 ou 4 quarteirões.

JM: E quando era miúdo tinha algum ídolo, algum músico que quisesse imitar?
PS: Ouvia.... eh.. ouvia James Moody antes de começar a ouvir Charlie Parker. Eu não tinha dinheiro para comprar os discos de Charlie Parker mas havia um sítio de esquina onde paravamos, perto de minha casa que tinha uma juke-box e ouviamos muito Count Basie , “April in Paris” e James Moody, um tema que se chamava “Hard To Get”... nunca mais me esqueço... e lá ia para esse sítio onde paravamos... onde os estudantes paravam , sentavamo-nos perto da juke-box, com os nossos óculos escuros.Eu pensava que era mesmo um tipo cool...

JM: Nessa altura era habitual transcrever solos?
PS: Não me lembro que se transcrevessem solos nesse tempo... era escutando... de ouvido...nunca escrevi nada... mas um professor meu chamado Jimmy Cannon,era trompetista ,e como o seu ídolo era Clifford Brown levava para as aulas discos dele para nós ouvirmos... era o meu ídolo..

JM: Ainda pratica?
PS: Claro que sim... Sempre..pratico imenso no meu quarto de hotel... já pratiquei depois que cheguei... duma forma silenciosa... só com as chaves...

JM: Quando pratica, o que faz?
PS: Pratico o meu controle... sabe, há muita coisa que se pode aprender só de carregar nas chaves do saxofone... procurando digitações alternativas... controle dos dedos... há tantas dedilhações possíveis..eu, por exemplo, tenho os dedos curtos... tenho que encontrar maneiras de com os mover nas chaves... para uma melhor técnica.

JM: Como chegou ao contacto com John Coltrane? Como o conheceu?
PS: Conheci o John em 1959/60. Ele estava na Costa oeste a tocar num clube... acho que se chamava the Jazz Workshop. Era um clube em S. Francisco. Um clube de primeira.E havia outro, o Black Hole mas Trane ia sempre ao Jazz Workshop. Bom..conheci-o através de um amigo... sabe como é... está-se num clube...é-se músico... ou tenta ser-se músico... o meu amigo apresentou-nos... Nessa fase Coltrane andava à procura de uma mudança no seu som e mudava constantemente de boquilha. Eu ofereci-me para o levar a visitar as lojas de penhores. E foi assim. A partir dessa altura contactavamo-nos de vez em quando... telefonava-me... ou quando tocava na cidade eu ia ao clube onde ele tocava.

JM: O que sentiu com o convite de Coltrane para trabalhar e gravar com ele? E... que idade tinha nessa altura, por altura da gravação de "Ascension"? Foi o 1º disco que gravou com ele, não foi?
PS: Creio que sim. Estava em Nova Iorque e era um homeless. Estava longe de casa há 2 anos e meio... o meu aspecto era tão mau, tão sujo... não queria estar com ninguém..não podia ir aos clubes mas ouvia do exterior... Quando conheci o John eu estava em S. Francisco mas depois consegui uma boleia para Nova Iorque mas não sabia que a cidade era como era... fria e as pessoas... assim... digamos que não eram muito simpáticas... e tive que aprender isso à minha custa se queria sobreviver. Dava sangue para ganhar alguns dólares, tipo 5 dólares por uma garrafa de sangue. Assim podia comprar pizzas ou chocolates que me davam alguma energia. Nesse tempo dormia nas entradas dos prédios de apartamentos... enfim..dos que estavam abertos... Mais tarde... eu continuava a dar sangue... mas estava farto disso... pensei em arranjar algum trabalho e comecei a ter alguns empregos em Greenwich Village. Comecei então a trabalhar como cozinheiro... Guardei o meu saxofone num sítio qualquer... devo ter guardado... ah , já sei , escondido num lugar qualquer. Não se tratava dum emprego pago mas o patrão deixava-me comer à borla... bom... eu comeria à borla de qualquer maneira... (risos)

JM: Tempos difíceis...
PS: mesmo na McDoodlle Street. E nesse mesmo lugar onde trabalhava foi onde conheci Sun Ra. Eu trabalhava na cave. Lá em cima, no mesmo edifício, no clube, que se chamava Playhouse. Uma noite, um grupo começou a tocar e eu pensei “Espera aí! Que é que eles estão a fazer?”. E eram John Gilmore, Pat Patrick, Marshall Allen e alguns outros de quem eu não conhecia os nomes na altura. E então uma noite eu fui lá cima, durante o intervalo, e fiz saber a Sun Ra que eu era músico, que tocava tenor... e ele usou-me algumas vezes...quando o John Gilmore não podia... eu estava lá baixo na cozinha a trabalhar... e... que grande músico era o John Gilmore... um dos maiores músicos do mundo... Eu disse-lhe “quando o John Gilmore não puder ou faltar um saxofonista tenor... "E uma vez isso aconteceu... e parece que gostaram do que eu fazia e eu também gostava da música deles... mas o Sun Ra assustava-me... todas aquelas coisas na cabeça... à volta da cabeça e uma capa... mas Sun Ra era diferente de todos e a música do seu grupo não era parecida com nada do que eu tinha ouvido... e ele deixou-me tocar uma noite... Mais tarde eu descobri onde ele morava,ele deixava-me lá ir e dar uma vista de olhos à música e acho que gostou de mim como pessoa já que eu era muito sério em relação á música que eu queria tocar.

JM: Uma grande altura para estar em Nova Iorque e conhecer todos esses grandes músicos.
PS: Sim... mas dificil para mim. Estava demasiado sujo para sair e conhecer gente. Mas eu queria realmente fazer música... não queria arranjar um emprego de dia... nada disso. Já no Arkansas, que é a minha terra eu tocava com grupos de blues...

JM: Conhece alguma coisa de música portuguesa?
PS: Não mas gostava de conhecere já perguntei se havia algum instrumento característico que eu não conheça para levar.

JM: Vou oferecer-lhe um disco dum músico portugues recentemente falecido, Carlos Paredes.
PS: Já ouvi alguma música mas nunca com suficiente atenção para entrar nela, música de guitarra...

JM: Vou tentar arranjar esse disco já que, pessoalmente, gostava que conhecesse...
PS: Óptimo.

JM: Que música ouve actualmente?
PS: Ainda ouço muito tambores africanos, [imperceptível] música marroquina. Tive a oportunidade de gravar com alguns grupos marroquinos com quem ainda mantenho contacto e com quem espero no futuro viajar e fazer tournée.

JM: O que tem a dizer a um jovem músico de jazz?
PS: Bem... dir-lhe-ia para ouvir de dentro, fazer uma audição séria, não ouvir duma forma superficial. Não ouvir o exterior, ouvir por dentro. E esperar que assim perceba o que precisa de trabalhar... as escalas... todos os elementos necessários.É preciso ser realmente um bom ouvinte.

JM: Uma última pergunta. Qual é o seu objectivo quando sobe a um palco para tocar?
PS: Ao contrário de muitos outros músicos não estou numa de diversão. Sinto que tenho uma mensagem. É isso que eu tento passar com a minha música. Espiritualmente e todas as coisas por que passei na vida. Tento tocar todas as minhas experiências. Não posso falar pelos outros músicos mas isto é o que eu sinto.

JM: Obrigado Mr. Sanders. Foi um grande prazer falar consigo.
PS: Obrigado.

sábado, agosto 24, 2013

Noites do Parque 2004/07


Agosto, noite de calor em Torres Vedras, vontade de ouvir música e de repente, lembro-me....“Noites do Parque”  !!! Será que ainda existem ?"
Para quem não saiba (e serão muitos) o ciclo “Noites do Parque” foi uma invenção minha durante a existência da Escola de Jazz de Torres Vedras que contou com  a parceria da Câmara Municipal nos primeiros (4) anos e para o qual formulei dois objetivos: 1º) proporcionar animação cultural aos Torrienses (muitos) que não vão a banhos já que durante Agosto a cidade parece que deixa de existir, com toda a atividade cultural e balnear a  concentrar-se em St. Cruz) 2º) Dar especial relevo á habitualmente chamada World Music, género até então muito pouco frequente nos espetáculos musicais em Torres Vedras.

Se durante 4 anos  todo o conceito, programação e design do ciclo esteve a meu cargo – com um sucesso sempre crescente , diga-se - no 5º ano fui informado que, a partir daquele momento, a autarquia tomaria conta da programação.  Agora que o sucesso do ciclo estava instalado e garantido, era o "adeus ó vaitembora".....Nada de novo debaixo do Sol, pois não?
Enfim.... hoje, curioso de saber se as Noites do parque ainda existiam e que era feito delas (ao fim e ao cabo foram "as minhas meninas"),  googlei.

Fiquei aqui a saber que sim, ainda existem. Pelos vistos ocorrem em 3 sextas-feiras de Agosto mas eu, que até estive por cá, confesso que não dei por nada. Insuficiente divulgação? Talvez. Dos grupos que atuaram, houve, pelo que consta, “sonoridade nómada”, “o rock e o folk"; e, a terminar....."distintas culturas e sonoridades tradicionais”.
Por um lado ainda bem que a Autarquia  continuou a "rever-se” no meu projeto inicial no que respeita á World Music; por outro, que pena que tenha deixado cair a componente africana deste ciclo. Vá-se lá saber porquê...
E ficaria por aqui se o calor desta noite de Agosto não me levasse ainda mais longe nas minhas memórias.
 E revi o prazer que deu fazer tudo, desde programar o ciclo, dar orientação na montagem de estruturas, levar os músicos a jantar (sem dúvida uma das partes mais divertidas) ou resolver mil e um problemas logísticos como por exemplo, avisar a tempo os serviços de rega automática do Parque para evitar que, de repente e sem aviso, músicos, instrumentos e material elétrico levassem um banho forçado (o que aconteceu na 1ª edição) !!!
Confesso que gostei muito de fazer as “Noites do Parque”  e de ter conseguido para elas o sucesso que manifestamente, tiveram.
                                          Noites do Parque 2006- Sabor Cubano( Cuba)

                                                  Noites do parque 2005 - Carlos Có (Guiné-Bissau)
 
 
                                                      Noites do parque 2004
 
E gostei tanto de as fazer que mais difícil foi perceber (e até hoje não consegui) como, no último ano em que eu (ainda)  fiz a programação, a Autarquia  - que sempre afirmou a pés juntos apoiar as iniciativas culturais locais - questionou (pela 1ª vez) a minha escolha musical ,  instando-me  a retirar do cartaz a Big Band do Oeste, ela própria, um grupo local que, com o enorme esforço concertado de um grupo de pessoas, eu incluído, conseguiu atingir um nível musical semiprofissional do qual todos nos orgulhamos, sendo a mais jovem Big Band do País e sendo convidada para tocar em muitos locais – com excepção de  Torres Vedras onde apenas se apresentou uma vez após a sua estreia).
Pois é.
Aprendi imenso. Aprendi muito e em muitas áreas mas o que eu aprendi realmente foi que não vale a pena perder tempo com políticos e os seus jogos ...Mas isso não é nada que não tenhamos já todos aprendido por esta altura....
 

segunda-feira, agosto 12, 2013

George Coleman speaks

Entrevista com George Coleman (aquele saxofonista que tocou no grupo do Miles mas com quem o Tony Williams embirrava, lembram-se?)
Super saxofonista numa interessante entrevista da BBC3 no programa "Jazz Legends" em Abril de 2000, entrevista conduzida pelo pianista inglês Julian Joseph.

 

 
Mais entrevistas AQUI

Com Pharoah 9 anos depois

 
 
 
 
Para celebrar o meu reencontro com Pharoah um tema gravado em 1977 no concerto de abertura do Festival Nouvelles Musiques de Chateauvallon (Toulon, França), concerto a que não assisti mas que me foi especialmente importante.
 
 


Um Faraó em Agosto

 
O Sr. Sanders merecia melhor.
O conceito implica(va) o diálogo entre a “muralha de som” dos trios Chicago Underground + S. Paulo Underground e o saxofone de Pharoah, ele próprio, em tempos passados,  uma poderosa e inquietante “muralha” sonora.
Só que os tempos passados são isso mesmo e Pharoah, para grande tristeza nossa, está muito debilitado. Problemas cardíacos fizeram-no regressar aos EE. UU. na semana anterior a este concerto e regressar a Lisboa logo de seguida e o desgaste que isso provocou foi bastante visível. Pharoah limitou-se a fazer alguns solos, a maior parte dos quais de uma forma errática, debitando  alguns dos clichés que fazem parte da sua linguagem de sempre e que os espectadores esperam ouvir. Alguns solos que se iniciaram para logo terminarem passando a sensação de que aquele habitat sonoro era muito pouco friendly  para o fragilizado saxofonista. Mesmo assim, por breves momentos e em algumas notas o véu se rompeu e deu para ver lá atrás, ao fundo, o brilho incandescente do som do saxofonista. Aquele vibrato largo que estou certo aprendeu com (roubou a) Trane e que faz as notas parecerem-me eternas mesmo que durem apenas um breve instante ou aquelas  notas mais graves do sax  (os E, D e Cs) que são uma das mais características assinaturas de Pharoah. (Apenas o B grave, nota especialmente exigente,  lhe deu problemas na noite de ontem). 
Quanto aos músicos que constituem o grupo gostei muito do baterista Chad Taylor, um pilar ao longo das 2 horas de música. Grande invenção rítmica (e poli-rítmica), linguagem muito informada por diversas áreas estilísticas (afro, latin,hip-hop),  grande  preocupação  melódica na utilização da bateria no seu total. Alta cena. Muito musical o seu pequeno solo na mbira.
Rob Mazurek no trompete, flauta étnica, voz e electrónica e mentor do projecto não teve um concerto fácil.... Obrigado a gerir a participação de Sanders (a maior parte das vezes, a falta dela, já que foram várias os temas em que o saxofonista prescindiu de improvisar - ao contrário, estou certo, do que o lider esperaria - Mazurek teve, a meu ver e por essa razão, de estender o seu espaço de intervenção um pouco além do que ele (e eu...) gostaria...
Guilherme Granado muito bem nos teclados, oportuno, criativo, atento e muito bom controle dinâmico dos faders.
Baixista eléctrico e percussionista realmente muito fracos. Matthew Lux (bx)  com pulsação irregular, falha em alguns (muitos) primeiros tempos o que redunda numa lamentável falta de groove, notas erradas (!) em algumas das linhas de baixo. Dele apenas gostei da manipulação do som do baixo com pedais . O percussionista brasileiro Maurício Takara, a  tirar pouco som dos instrumentos, ritmo mole, sem uma real envolvência física com o instrumento. E vindo  um país com tamanha tradição de percussão ! No cavaquinho, uma intervenção também bastante desinteressante. Neste instrumento apenas gostei dos uníssonos com o trompete.
Conclusão : Apesar do interessante conceito proposto pelo grupo, uma “jóia do Nilo” como Pharoah Sanders  merecia uma noite um bocadinho melhor. E nós também.

segunda-feira, agosto 05, 2013

Ritooria

Do disco "Facing you" de Keith Jarrett (ECM, 1972) 
 
 

Love you just the (many) ways you are

Desde a gravação original de "Love you just the way you are" de Billy Joel (1977) marcada pelo elegantíssimo solo de Phil Woods no sax alto, tornou-se de rigueur  a inclusão de um solo de saxofone neste tema.
Consta que na gravação original - incluída no disco "The Stranger" - Phil Woods gravou 6 takes (embora o próprio Phil só admita que gravou 2...) resultando o solo final da combinação de dessas várias takes, inspirado "corte e costura" de Phil Ramone , produtor do disco.
Grande canção. Fácil de resvalar para um terreno kitch e um pouco "oleoso", é certo. Mas com uma canção destas haverá sempre a garantia de se tratar de óleo da melhor qualidade...
 
 
 
 
Phil Woods sax solo
 
 
Richie Cannata sax solo
 
 
 
Michael Brecker - tenor solo
 
 
 
Bela Gyenes - tenor solo
 
 
Isaac Hayes - solo de sax alto
 
 
 
Scott Hamilton tenor solo

 



 
 
 

 

Vijay Iyer em Lisboa


 Culturgest
(Lisboa 9 e Maio 2013)
Marcus Gilmore na bateria e Matt Brewer  no contrabaixo



Cascais Jazz em cartazes

 
 

 

 




 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

google-site-verification: googlefa1481a732b9d84f.html