A noite em que Buck Clayton tentou roubar-me a namorada


Em 1977 eu era um jovem de 20 anos e a minha namorada tinha olhos verdes. Enormes.
Aquela noite de Junho prometia e do programa faziam parte a banda de Buck Clayton e o sexteto de Cecil Taylor.
A expectativa era grande (enorme) para o espectáculo do pianista. Ansiava por ver alguns dos "monstros" que povoavam o meu imaginário jazzístico da altura. Para além de Cecil Taylor, só por si um colosso, havia o fabuloso Jimmy Lyons no alto, Raphé Malik no trompete, Beaver Harris  e o (então jovem) David S. Ware. Brutal !
No palco e até lá, a banda do trompetista Clayton era apenas (pelo menos para mim) um concerto de aquecimento, um compasso de espera, já que o blues swing que praticavam não me entusiasmava especialmente.
Eu e a minha namorada, na 2ª ou 3ª fila em frente ao palco, não cabiamos em nós de contentes pelo facto de haver Jazz ao vivo (raridade na altura), internacional (mais raro ainda...) e a Norte (raridade absoluta!) . Ali em Espinho, ao pé de casa (morava no Porto na altura) .
A banda de Buck Clayton entra em palco, todos de fato azul (que raio, tinham de vir fardados, penso eu...) e o blues-swing-jazz começa a aquecer os motores. 
Música poderosa, aquele swing ...Talvez o primeiro tema não tivesse acabado ainda e eis que Clayton detecta os olhor enormes, verdes e brasileiros da minha namorada !!.
Creio que não voltou a olhar para a partitura !!!

Na altura com 66 anos Clayton era ainda, uma bela figura ! Bigodinho bem aparado, BrillCream pela nuca abaixo, sapato de verniz impecável e um swingalhão a correr-lhe nas veias estava consciente do seu charme e poder de sedução.

Durante todo o concerto os olhos malandros de Buck procuraram muitos mais os olhos verdes da minha namorada do que as blue notes da partitura (se é que havia partitura) .
Felizmente para mim, aos 20 anos é impossível ter ciúmes de alguém de 66, mesmo trompetista e sedutor.
A situação foi encarada, quer pela minha companheira quer por mim, muito mais pelo lado divertido do que doutra qualquer forma... 
 .
No fim do concertos, intervalo. 
Levantar - não longe das cadeiras para não perder o lugar - saber das últimas do festival (acidente com o excesso de passageiros nos comboios vindos do Porto) , por onde andavam os amigos , é verdade que o Rao tocará amanhã a solo, antes dos Soft Machine ? 
Vindo dos camarins, mesmo laterais ao palco vem um americano (negro e alto deve ser americano, certo?) direito a nós e informa que o sr. Buck Clayton gostaria de conhecer a menina no backstage.
Breve troca de impressões entre nós e o convite foi aceite.
De um charme e educação dignos do seu talento, Buck Clayton, recebeu a jovem, conversou, apresentou-lhe o resto da banda,  ficou com o seu contacto (postal, que naquela altura não havia internet...) e durante alguns anos (talvez dois ou três) de vez em quando lá aparecia um postal ou carta com um flyer anunciando mais um concerto do trompetista.
Uma noite de Verão em 77. Um estória para contar a(o)s amigo(a)s

Fotos e reportagem do festival AQUI





Comentários